Jornal Ibiá - José Mayer interpreta Zico Rosado - Montenegro - RS

José Mayer interpreta Zico Rosado



20/07/2013

Depois de interpretar tipos sedutores, como Marcos, em “Viver a Vida”, Augusto César, em “A Favorita”, o Greg, em “Páginas da Vida”, e até o pescador Pereirinha, em “Fina Estampa”, José Mayer volta à cena como o Coronel Zico Rosado, no remake de “Saramandaia”. Nesta adaptação de Ricardo Linhares, Zico Rosado aparece com novo visual, mais moderno, menos truculento, mas que continua a colocar formigas pelo nariz ao sentir a menor contrariedade. O telespectador que tem acompanhado “Saramandaia” já percebeu que o autor deu ao personagem o perfil de machão conquistador, mas que não conseguiu se livrar da paixão proibida por Vitória Vilar, papel que é de Lília Cabral. 
Nos próximos capítulos, Zico terá que lidar com os questionamentos de Zélia (Leandra Leal) e a grande expectativa do público é quanto à reação do fazendeiro quando souber que é o pai biológico da “saramandista desaforenta”. Na vida real, José Mayer ganhou o rótulo de galã; modesto, costuma dizer que não entende porque as mulheres o consideram bonitão. 
Tanto sucesso se deve à interpretação de personagens conquistadores, geralmente homens fortes e decididos que sabem o que querem da vida e das mulheres. Foi assim quando interpretou Pedro, em “Laços de Família”, ou o jornalista Dirceu de Castro, em “Senhora do Destino”. José Mayer tem uma vida reservada e vive longe de badalações. Nada o irrita mais do que ver o seu nome nas naturais fofocas do meio artístico.  É muito bem casado há 38 anos com a atriz Vera Fajardo, e tem uma filha, Júlia Fajardo que é atriz de teatro. 
Nascido José Mayer Drumond, na mineira Jaguaraçu, dia 3 de outubro de 1949, antes de cair na televisão era professor de Literatura e Idiomas. Tudo começou na década de 80, mas por detrás das câmeras: ele dublava o Burro Falante, na primeira versão do “Sítio do Picapau Amarelo”. Antes, tinha atuado no teatro em Belo Horizonte. Em 1979 que ele e a mulher mudaram para o Rio de Janeiro.
A primeira novela foi em 1983, primeira versão de “Guerra dos Sexos” (Globo) e depois participou do filme “Bandidos da Falange”. Os dois papéis lhe renderam o prêmio de Ator Revelação da Associação Paulista de Críticos de Arte. José Mayer contabiliza quase 40 anos de carreira, mas ainda exibe fôlego e talento invejáveis. Será mesmo um eterno sedutor.